Posts Tagged ‘Manaus’

Mutirão Hip-hop Rua produz encontro para criação de Manaus

Dezembro 17, 2013

IMG_5257

Manaus é uma não-cidade devido a forma em que os (des)governantes se apropriam do estado como extensão de suas famílias, que constantemente permanecem governando através do poder econômico.

Porém estes (des)governantes não possuem força nenhuma sobre a potência produtora do povo quando este decide se unir para se expressar e produzir formas de relações libertadoras.

Foi isto que aconteceu no último domingo na rua ao lado do Arar do Bairro do Mutirão (Zona Leste) quando diversos movimentos e expressões como produtores culturais, grafiteiros, DJs, MCs, B-boys e B-girls, skatistas e muita gente ativa se reuniu para engendrar um encontro da arte de rua e da cultura hip-hop.

IMG_5262Organizado pelas ativistas do MariaM – Movimento Ari-Poriá Ativistas de Manaus e pelo companheiro Maranhão, o evento contou com mais de 200 presentes, começando as 14 horas e indo até o fim da noite. Nosso bloguinho esteve presente conversando com as organizadoras e aproveitando para trocar uma ideia com a integrante do grupo, Rose:

“O Coletivo Marian foi criado em 2005 com a junção de doze garotas, onde cada uma representava os quatro elementos do hip-hop: tinha as grafiteiras, as DJs, no caso eram duas na época, as MCs e as B-girl. Com isto resolvemos montar este coletivo para tentar dar visibilidade às mulheres dentro da cultura hip-hop que na época era vista só por homens, a mulher não tinha espaço no hip-hop. Hoje em dia, com a volta do coletivo somos oito e não lutamos só pelo espaço da mulher, mas para levantar o hip-hop em si em Manaus. Por que quando fazia eventos era ou só grafite, ou só break, ou só MC e por isto estamos querendo voltar com eventos para levantar os quatro elementos: b-girls, grafite, MCs e DJs. E este evento hoje foi para mostra que em Manaus o rap é muito visado, ele é amplo e queremos unir os quatro elementos com força total. E buscamos que as pessoas vejam que no Amazonas e principalmente em Manaus, os grupos de rap são muito bons, assim como tem muito grafiteiro bom mesmo não tendo muito espaço para eles. A gente convidou 11 grafiteiros para pintar, mas só apareceram cinco, o resto foi o pessoal que veio com seu material na possibilidade de ter espaço pra eles pintarem e a arte deles é bonita. Grafite não é marginalização, é rua e queremos mostrar que na rua tem arte, que no rap tem poesia. Por isto não é só mostrar que o Marian tá voltando mas unir os quatro elementos. É a união pois somos uma família, e a rua junta a gente nesta família que a gente quer esclarecer” Rose do MariaM

IMG_5253

IMG_5267IMG_5304

IMG_5283

Desde cedo a moçada do grafite e do bomb colou junto aproveitando a tela cabulosa que o muro do Arar propicia e mandaram seus traços esquizos, mostrando que a arte de Rua tem valor.

A produção do grafite atravessou a noite e contou com artistas de rua de ótima qualidade que mostraram que Manaus produz arte no grafite que é tão boa como em outros cantos. Alguns grafiteiros da antiga estiveram presentes também para prestigiar e acompanhar a moçada que está chegando.

IMG_5378

Grafite do companheiro Mega já finalizado

IMG_5363IMG_5339

IMG_5296

IMG_5331

E como o movimento foi organizado para mostrar que o grafite feminino possui uma potência singular e tem um impacto muito mais transformador, houve a presença de diversas grafiteiras como Kisy, Ami, Anie, Rosa etc.

Conversamos com a grafiteira Ana Paula que aparece na foto acima junto a seu cachorrinho grafitado dedicado a seu filho Iago nos falou um pouco sobre a importância do evento e da união da moçada do hip-hop.

“O evento aqui do Mutirão está sendo um grande espaço como sempre. Todo evento aqui é uma grande porta aberta pra arte de rua, pro grafite, pro bomb, pro rap, DJ, mc, break. Espero que continue acontecendo mais eventos que possam abrir mais portas para gente poder demonstrar nosso trabalho, o que a gente é capaz. Falam que o grafite é uma arte vandal, é uma arte proibida, mas não, se a pessoa parar pra perceber os grandes pintores usavam as telas e a gente usa o muro pra expor nossos trabalhos. Continue, vandalismo, grafite e é nós.” Ana Paula

 IMG_5255

IMG_5264IMG_5375

IMG_5374

E a festa foi rolando com a presença de diversos DJs Sanci, Carapanã, Bené que mandaram um som para a moçada que trazia toda a cultura de rua com o rap e similares. O som das quebradas foi juntando toda família que logo

E teve o som do rap de Angola, de Manaus, do Nordeste e de todo o Brasil que saia das caixas pelos dedos nas pickups e equipamentos dos DJs.

E no fim da tarde começaram a rolar as apresentações do rap manauara com a moçada da Renúncia Pessoal, Reação MC (foto Abaixo) e Conexão Zona Norte.

IMG_5359

IMG_5356

IMG_5368

Nosso bloguinho conversou com a moçada do Conexão Zona Norte, grupo formado por Bira M.C., Base M.C., Nego Rasta, Blaster e Dj Sanci. Eles mandaram um grande salve a toda moçada do hip-hop e rap de Manaus, contando sobre a sua história e sobre o evento.

“Há 4 anos, em 2008/2009 a gente entrou no rap para resgatar a cultura de rua e a gente acabou gostando. Quem começou a parada do Conexão foi o MC Bira e o Base. Estamos aqui pra mandar um salve para toda rapaziada, é o Conexão Zona Norte, Mutirão, Cidade Nova, Fronteira com a Zona Leste. É uma satisfação estar colando junto com vocês da Afin e fortalecendo a cultura hip-hop para que não perca a essência, por que a cultura hip-hop sempre está presente na periferia junto com todo mundo daqui: o tiozinho da padaria, o borracheiro e toda esta rapaziada, por que a cultura hip-hop veio da rua e sempre vai ser da rua. Por isto este evento mostra a união de toda rapaziada da rua. Salve! Nosso som é bem quebrada mesmo, é periferia, skate, bomb, grafite, adrenalina. Hoje vamos mandar som, rima de rua 100 porcento original, rima canibal aqui da capital, rap nacional direto de Manaus pra vocês. Pra terminar salve toda moçada do movimento hip-hop de Manaus e que esta mensagem chegue a outros estados e que aqui a cultura hip-hop ta muito forte, principalmente o rap que está fortalecendo e esperamos que pelo contato da rapaziada chegue até vocês.”Conexão Zona Norte

IMG_5380IMG_5385

IMG_5384

IMG_5341

Encontramos ainda o Mano Sinoé (a esquerda da foto) que participou de toda a construção do bairro do Mutirão e do movimento Hip-Hop no Mutirão e na Zona Leste. Ele contou uma parte desta história e sobre o Mutirão Hip-Hop Rua.

“Aqui no Mutirão não era asfaltado era só barro, a gente ia pegar ônibus no sexto batalhão.O Mutirão tem mais de 20 anos de história e cresci junto com os manos aqui que estão envolvido com o movimento Hip-Hop e seus elementos que começamos fazendo aqui no Mutirão. A gente não tinha espaço mas no Arar a Dona Anália e o Braguinha deu um grande apoio. Na época era o Mano Vagner, Cabeça, o Mano Cross, o Mano David, o Base, Igor Cabeça,  o Bruno, o Mano Rasta, Mano Azul, Mano Deri,  Mano Bira, Baron, o David Down, o Mano Bill, Mano Pulga, e muitos moleques daqui mesmo como Mococa, o Cabecinha, todos formamos uma família. Nós fizemos um projeto em 2001, entregamos pra Dona Anália , foi aprovado o projeto no planejamento do Arar e fizemos o primeiro Exporua dentro do Arar. Aí liberaram pra nós seis microsistens pra sortearmos, liberou tinta, jogo de cama, brinquedo, boneca pra criança. Foi um projeto de interação, mobilização e consciência através da arte, música e do esporte. A gente já teve professor de basquete de rua, a bike, skate, inline, hip-hop com os b-boys e fizemos o 1º Exporua. Até igrejas vieram apresentar teatro. Quem colou com nós e não podemos esquecer: Mano Fino que não cobrou nada e trouxe a aparelhagem, o Mano D12 que pediu pra divulgar seu trabalho e muitos outros. Este projeto continuou todos os dias pois tínhamos uma família, juntou muita gente para aula de rap com o Mano Cross e Mano Vagner, o pessoal da Igreja Católica com a Periferia Ativa, tinha aula de grafite, arte no pano, arte na cerâmica, atividade que existe até hoje na Igreja Católica Nossa Senhora da Conceição. Ai a moçada do rap começou a aparecer. O Reação MC e Conexão Zona Norte foram pra França, passaram em Roma.Hoje está tendo um evento inédito muito especial que ta reunindo gente que está na rua faz muitos anos e que tem que parabenizar pois muitos deles saíram do nada e deu a volta por cima” Mano Sinoé

E este encontro da família Hip-hop manauara varou a noite trazendo muita alegria e união a toda a arte de rua que se fortaleceu com mais uma produção.

No próximo fim de semana o Hip-Hop de Manaus continua com dois eventos: No sábado a moçada do Grafite vai estar reunida pelo Alvorada em um grande encontro e no domingo acontece a Batalha de Hip-hop [Break] da Juventude do MHM no Centro de convivência (ARAR) do Mutirão a partir do meio-dia.

No dia 29 de dezembro haverá ainda a 2a Edição da Batalha de Fim de ano que ocorrerá no CDC do Coroado 3 com entrada a 5 reais. No mesmo dia 29 haverá das 9 às 17 horas o 165 Graffiti Action no Muro do Residencial Cruzeiro do Sul, beirando a Av. Das Torres no bairro Águas Claras com presença de moçada de responsa como Audio, Broly, Blur, Godo, Izy, Lobão, Mafia, Paradise, Radar, Tina e muitos outros. Quiser uma tela esperta é só colar.

PRODUÇÃO COLETIVA ARTE OCUPA MANAUS DEVOLVE A PRAÇA AO PÚBLICO

Fevereiro 26, 2013

IMG_1438

A não-cidade de Manaus sempre foi governada por pessoas tristes que tentaram e continuam tentando de todas as formas manter a população resignada e improdutiva. As produções pseudo (ou somente e raramente) artísticas foram sempre direcionadas a uma cultura-valor (aquela que adiciona valor aos que tem acesso a ela, em uma relação social de poder como expõe Guattari) para uma classe mediana e improdutiva.

Como já discutimos anteriormente Manaus é uma não cidade pois dificilmente se encontra artistas, vemos apenas aqueles que são dependentes do Estado para produzir suas pirações. Assim os poucos se mostram interessados muitas vezes esbarram nesta realidade deprimente e não conseguem ir muito adiante.

Porém quando diversas pessoas da sociedade civil organizada, cidadãos comuns como qualquer outro decide deixar esta realidade opressora de lado, acreditar na sua capacidade produtora independente de qualquer auxilio do estado e ir para a rua mostrar sua arte, sua voz, sua presença no mundo.

Esta foi a idéia do Arte Ocupa Manaus, uma ocupação de um dos espaços urbanos para que seja devolvido a produção e presença coletiva. Assim esta ocupação foi dar vida a não-cidade de Manaus que através das desadministrações políticas da cidade temos um verdadeiro cemitério a céu aberto. É só andar pelo Centro da cidade para perceber uma história de abandono da população pelos governantes e que por isto deve-se ocupar o espaço público para oxigenar as veias da não cidade.

Assim diversos grupos e artistas de rua decidiram ocupar no domingo da semana passada (17) a Praça Dom Pedro II, localizada ao redor da Antiga Prefeitura e do INSS. A recente reforma da praça com seu coreto e fontes pintados não escondem todo a deprimente realidade que a cidade se encontra, sem os serviços básicos principalmente nas quebradas do mundaréu onde estão as Zonas Norte e Leste.  Porém diversas expressões de amazonenses produtivos, que não sofrem do sentimento de inferioridade imobilizante sobre outros povos (principalmente pelos mais ativ@s paraenses, maranhenses, piauienses, etc) e nem deixam ser deglutidos pela inoperancia do governo e dos artistofastros (falsos artistas).

E rolou a moçada da capoeira, do grafite, do freestyle, do rap, do samba, da poesia, das artes plásticas, dos malabares, do circo, e muitas outras atividades artística. Conversamos com os dois propositores do evento, a ativista Renatinha Peixe-boi e o Grafiteiro Raiz, que deram o início no evento que juntou mais de 200 pessoas em um encontro gostoso, produtivo, que aumentou a potência de agir de cada um que foi para conhecer somar e multiplicar este evento que foi o primeiro de vários outros a vir.

IMG_1430

Eu acho que eu só consegui dá o enter nas idéias que já estavam no coração e nas idéias de muita gente, não só como em um espaço físico, mas no espaço do irreal, do intocado que está dentro de cada um, na possibilidade de fazer e ajudar de fato o irmão com coisas boas. Como por exemplo uma pintura de parede que pode modificar a vida de uma criança que está observando a arte de pintar a parede quando ela poderia está observando o cara alí fumando oxi. Então a idéia foi quando a gente veio pintar uma parede e quando a gente viu estavamos cercados pelas pessoas da comunidade, interessadas pela pintura, falando sobre as necessidades que são necessidades comuns de todo mundo: necessidade a cultura, a liberdade de expressão, de um espaço físico adequado para utilizar. Este aqui é o ponto de prostituição mais famoso da cidade, no entanto é em frente a primeira prefeitura, o prédio do INSS onde as pessoas ficam na fila pra receber um benefício. Então é mostrar que a gente não precisa de mais nada, não precisa de grandes estruturas para resolver nossos próprios problemas. Somos nós que vamos resolver os problemas, não vai ser o governo, não vai ser o dinheiro, vai ser boas ações. Só o fato de a gente estar aqui neste domingo hoje compartilhando, tenho certeza que vai nascer muita coisa boa .Pretendiamos fazer primeiro este encontro em uma mansão. A gente tava saindo de um centro cultural e foi passando na frente desta casa, a gente viu a porta aberta e pensou vamos invadir e fazer um centro cultural. Aí a gente foi entrando e vendo a grandiosidade da casa, cheia de mármore, com piscina, gigante. A gente chegou lá e pensamos em ocupar pra fazer uma exposição com o grafite, por a galera é isto aí, não tem medo de polícia, sabem muito bem dos direitos que defendem quando vão pra rua pintar. Só que a idéia foi crescendo e fomos ficando mais preocupada com a estrutura física, se poderia suportar a quantidade de pessoas. E no dia seguinte viemos aqui nesta parte de trás e a comunidade foi chegando e apreciando.” Renatinha Peixe-Boi

Os grafiteiros Hulk e Raiz

Os grafiteiros Hulk e Raiz

Os movimentos aqui em Manaus tem esperado muito das atitudes governamentais. Os skatistas não constroem mais suas rampas pra andar de skate. Então a gente reuniu esta moçada para a galera dar o que tem de melhor. E você está vendo que faltou alguns movimentos, isto por que os movimentos ainda estão fracos. Olha o grafite aí que veio, pintou tudo por que a galera realmente é independente. Mas temos que agradece a galera que fez mesmo, por que quem está aqui pra somar é a galera que temos que acreditar, tem que fortalecer, todo mundo tá tendo seu espaço aqui, isto não está custando nada, não tem nada com dinheiro, a gente está fazendo tudo na força de vontade. A gente quer mesmo é que a galera abra os olhos, por que se a gente diz que a arte salva, vamos provar isto, não vamos ficar esperando ações e atitudes de outras pessoas. E que massa que vocês estão fazendo esta entrevista, que possam divulgar, compartilhar, estar conhecendo uma galera que não conhecia pois é para promover uma união geral. Eu estou só feliz, os caras da polícia estão meio incomodados andando pra caramba, tomara que eles não pegue a galera do bomb que está fazendo uns riscos alí.” Raiz

Dando um rolê pela praça logo sentia a diversidade deste grande evento e um dos grupos que logo encheu o espaço de uma forte cultura multicentenária e história foi o pessoal da capoeira do Mestre Xangô que veio do São Jorge para mostrar esta expressão afro em conjunto com seu trabalho social e conversou com a moçada do bloguinho sobre o evento e da praça ser ocupada com arte.

IMG_1383

Meu nome é José Carlos, sou o Mestre Xangô, presidente e mestre do Grupo Manaus Capoeira e sou morador do bairro de São Jorge há 41 anos. Este trabalho que a moçada está fazendo aqui é uma maneira de fazer uma pequena manifestação e se direcionar as pessoas que se preocupam muito com coisas pequenas, quando tinham outras coisas a se preocupar como a cultura, a dança, a arte, como as outras manifestações que são feitas em Manaus e fora dela por amazonenses que sairam pra divulgar já que aqui não tem espaço.

Nosso trabalho é um trabalho social no bairro de São Jorge, na quadra da Igreja de São Dimas, onde a única coisa que a gente cobra todo ano é o boletim escolar, se tiver ruim no colégio não treina e só volta quando estiver melhor. E como os meninos não querem perder o espaço onde treinam eles dão 100% no colégio. Por isto eu sempre digo que você tem que estudar e manter o esporte sim e dizer sempre não as drogas, mas sem nunca discriminar ninguém. A gente tem pouca divulgação no nosso bairro. Este evento que estamos fazendo podia estar cheio por que é um trabalho gratuito e esta manifestação devia ter em toda praça pública inclusive em datas como no dia 20 de novembro [Dia da Consciência Negra] que a cada ano que se passa está diminuindo mais, as pessoas quase não estão indo pras manifestações por que não está havendo uma atividade cultural e o que tem muitas vezes não tem nada a ver com a cultura afro ou negra. Por isto dentro dos bairros, das comunidades, as praças tem que estar limpa e aberta para a cultura. Estão utilizando as praças hoje, mas não tem espaço para as crianças, que é um direito delas ao lazer, ao esporte, a cultura que está dentro do ECA. Estão enchendo as praças de brinquedos onde ninguém pode mais brincar e se quiser brincar tem que pagar, enquanto a praça é pública. E assim todas tem que estar abertas para cultura.” Mestre Xangô

DSC00631

Além dos malabares que deixaram a praça com um aspecto alegre e lúdico estava presente o palhaço Curumim que encheu a praça de gargalhada da criançada e transeuntes que não resite a leveza do artista palhaço. Em uma conversa com o bloguinho o artista Rosival que recebe o palhaço Curumim falou sobre sua participação e da expressividade que este encontro tem para todos os cidadãos.

DSC00639

O palhaço curumim se sente honrado de poder vim numa praça como esta que tem todo um histórico em Manaus. Histórico em prostituição, de abandono e tudo mais. Então este movimento vem exatamente para resgatar a questão do espaço público que precisa ser cuidado. Então para o palhaço Curumim é extremamente importante que além deste lugar aqui a gente poder levar para outros lugares, porque Manaus está carente disto, carente de arte. E quando a gente fala de arte não é só o palhaço, mas arte com toda sua plenitude: levar as crianças, levar as vovós, os vovôs, levar todo mundo. Manaus precisa ocupar seus espaços, colocar arte, dar vida, por que Manaus precisa de vida. Neste domingão de chuva que está maravilhoso dá vontade de a gente sair pulando por estas praças. Adoro praça e este espaço veio a calhar e este movimento é que Manaus precisa acordar. Mais importante que os grandes eventos, o poder público também precisa investir na arte lá no bairro, lá na periferia, isto está faltando, valorizar isto, enquanto expressão da comunidade. É por isto que eu sou palhaço e é por isto que eu sou mambembe para ir a outros lugares.” Palhaço Curumim

A moçada do grafite se fez presente em mais um encontro artístico que contou com mais de 20 grafiteiros e considerados do Bomb com gente da antiga como Buiu, Rogério Arab, Paradise, Blur, Mega, e vários outros. Abaixo vemos um registro histórico da moçada com alguns grafiteiros que estiveram presentes desde o início do evento e que sempre trocaram suas experiências, amizade e estilos artísticos.

IMG_1339

IMG_1341

Conversamos com alguns grafiteiros que nos falaram deste grande encontro de grafiteiros e dos mais diversos artistas urbanos.

IMG_1411

Eu acho muito válido em um domingo destes, ainda mais no Centro, eu amo pintar no Centro e é muito massa. Reunir toda esta galera, todo mundo aqui num domingão, sempre desenvolvendo a arte e quebrando estes mitos que arte é isto ou aquilo. Tudo é arte. Ela é vandal, é subversiva, mas é arte. Um artista se liberta, não importa o material, faz, aprende, se supera. Alguém tem que fazer os trabalhos para ficar melhor.” Paradise

IMG_1475

Sou o escritor Soor que estou na rua na atividade e na minha opinião é um projeto muito bom que o cara vai trabalhando. É a arte que na vista de muitas pessoas é vista como vandalismo, mas o pessoal tem que saber diferenciar o vandalismo da arte de rua, que vem da arte da cultura urbana. É uma boa reunir a galera pra pintar no final de semana, estar se distraindo e convido toda rapaziada que puder vim ver nosso trabalho. Melhor do que estar envolvido em droga nós estamos com este trabalho que está tirando muitos jovens usuários de droga e trazendo aqui para o mundo da arte” SOOR

DSC00636

É bom que não é só o grafite aqui hoje como em geral é, tem todos estilos: o circo, grafite, artes plásticas. Isto no meu conhecimento é uma novidade. Bom estar mandando este grafite com a galera interagindo pra caramba, mesmo tendo só alguns espaços, a galera distanciada mas o clima está bom demais, tudo perfeito. Um dos melhores eventos da cidade e a idéia é se encontrar mais vezes durante o ano fazendo em outros lugares. ” Buiu

IMG_1402

IMG_1410IMG_1409

IMG_1355

IMG_1418

IMG_1417

Também marcaram presença o pessoal do Freestyle, estilo de rima com base no rap, onde se tem que criar as rimas na hora. Os participantes fizeram mais uma Competição de Freestyle Amazonas e mandando muito bem. Os competidores se superavam para não perderem na rima do adversário, e assim tinham que usar sua capacidade para mandar sempre uma rima melhor.

DSC00651

DSC00644

IMG_1460

IMG_1457

E como a produção não parava em todos os cantos da praça muitos aproveitaram para ficar também durante a tarde, quando também foram chegando novas expressões para mostrar e trocar experiências com a rapaziada que já estava presente.

O pessoal do Mestre Xangô aproveitou para cair no samba de raiz e deixar a praça com ainda mais alacridade. Chegaram também vários poetas e mais grafiteiros que começaram a ocupar todo o Centro e seus espaços abandonados, alguns há mais de uma década.

E no agradável passeio pelo centro de Manaus vimos as cores encher Manaus da vivacidade das cores. Encontramos nesta caminhada pelos arredores do Centro as talentosas representantes  do grafite feminino e trocamos uma idéia com as belas Lori e Hippie Greeny que deixavam sua arte sobre a cinzas telas que eram transformadas em pulsações  visuais.

IMG_1534

Na verdade este evento foi bom por que fazia muito tempo que não rolava algo assim que reunia todo mundo pra fazer uma ação assim. E fazer aqui no centro pra todo mundo se rever por que tinha muita gente que pintava há muito tempo atrás e que já tinha dado um tempo e com este evento se empolgou de novo e aí está aqui pintando e isto é muito legal. Pra mim fazer este trabalho é deixar um pedacinho meu no muro, então o que eu sinto eu deixo alí, independente do que eu sinto ou não, se estou mais feliz ou mais triste, tudo eu deposito alí pra não descontar em ninguém. É uma forma de eu liberar um sentimento preso em mim.” Lori- Arte sem limites (ASL)

img_1527

Achei este evento muito bom por que tinha tempo que o pessoal não se encontrava. E o lugar está bem deteriorado, então dar uma cor para um muro totalmente sem vida é bem bacana. E não é só o grafite, são vários movimentos juntos, por isto acho que deveria ter mais. Participar de um evento assim é muito bom para o nosso crescimento, por que é uma coisa que vai ficar podemos fazer de novo e a gente vem retoca, faz diferente, sempre procurando evoluir. “Hippie Greeny

IMG_1538

Acima vemos um dos grandes nomes do grafite e do bomb manauara, o sempre presente Blur que também apareceu para expor sua arte no Centro.

Abaixo vemos diversas telas (paredes) sendo ocupadas e criando um fluxo artístico que alimenta as veias esclerosadas da não-cidade de Manaus. Alguns lugares como os interiores de uma casa abandonada, terrenos baldios serviram de suporte para que a arte penetrasse em suas estruturas já bastante empedernidas

IMG_1465

IMG_1498IMG_1521

IMG_1493

A arte das grafiteira Meg e Poly

O artista grafiteiro Broly

O artista grafiteiro Broly

IMG_1489

O estilo do bomb/grafite de Vapor

IMG_1484IMG_1506

IMG_1512

IMG_1515

IMG_1550

No fim  da tarde agentes da Guarda Municipal apareceram para admoestar os grafiteiros por estarem utilizando de um espaço público e que foi relegado pelo poder público. Prédios como o antigo prédio do exército (foto acima) que se encontra há tempos abandonado e teve suas entradas cimentadas e percebe-se diversas plantas que se aproveitaram do abandono para crescerem nos espaços limites da construção.

Os agentes tentaram impor a idéia de que o ato de grafitar era vandalismo e que não tinha nenhuma diferença da pichação. O que prova o desconhecimento da lei de Crimes Ambientais que no seu artigo 65 diferencia e legaliza o grafite. O que os ocupantes estavam fazendo nada mais foi do que dar vida a um espaço afuncional e devolve-lo ao espaço público. Assim aos grafiteiros, cidadãos ativos não podem ser negado a liberdade de sua expressão artistica ainda mais como intervenção urbana.

Porém em um estado que onde a liberdade é tolida, a criação é desincentivada e os jovens marginalizados dificilmente se entenderá a expressividade do grafite e de uma produção como Arte Ocupa Manaus. Por isso mais vezes todos verdadeiros artistas que trazem seu talento ao mundo e as ruas continuarão a ocupar a cidade e novos eventos logo surgirão para que Manaus um dia possa vir a ser uma cidade, já que o possível já está dentro do coração da arte manauara.

IMG_1517

IMG_1519

A Culminância da solidariedade e do amor constitutivo no Natal com Nelson Noel

Dezembro 25, 2012

Nelson Noel 2012 (16)

Não há nada demais no natal. Todo o discurso típico da época, envolvendo solidariedade, altruísmo, afetividade, igualdade social, amor ao próximo, religiosidade, abundância em alimentos e bebidas variadas, a família alegre reunida em torno da mesa, o carinho dos pais aos filhos; todo o simbolismo natalino, que alimenta as últimas esperanças de existências que resolveram esquecer-se de si mesmas durante boa parte do ano, na noite da véspera do natal, colore as pálidas alegrias. Então é festa! Mas festa no seu sentido pontual: após os comes e bebes, retorna-se ao ordinário estado de coisas constituído.
Mas no natal promovido pelo companheiro, pai, marido e empresário Nelson Rocha, o popular Nelson Noel – e por seus amigos – o personagem criado para alegrar, trata de arrematar toda a solidariedade e o amor constitutivo que vão sendo tecidos durante o ano, culminando no dia 24 de dezembro há onze anos. Nelson Noel não espera a noite chegar; inicia a festa da alegria cristiana já nos primeiros raios de sol que iluminam o núcleo 5 do bairro Cidade Nova, local onde os amigos e Nelson Noel se reúnem, fazem suas orações e iniciam a carreata que conta com vários carros e pessoas à pé, responsáveis por fazer a distribuição do delicioso sorvete para as crianças, que vão tornando a existência mais suave com seus longos e autênticos sorrisos iluminados.
Nelson Noel 2012 (36)

Nelson Noel 2012 (5)Nelson Noel 2012 (15)

Nelson Noel 2012 (12)

A alegria cristiana não envolve somente as crianças. Todos os moradores dos bairros da Cidade Nova, Nossa Senhora do Perpetuo Socorro, Novo Aleixo, Águas Claras e Carlinhos da Carbrás (Parque São Pedro) saem às ruas e vão ao encontro de Nelson Noel para abraçá-lo, beijá-lo, para um simples aperto de mão, para compartilhar da festa.
Festa que não é em seu sentido pontual: a festa é durante o ano todo, sem hora ou data para terminar. Uma festa que se constrói à medida que é nutrida por tudo aquilo que faz o natal existir, mas de modo autêntico, verdadeiro e que não espera o sono chegar para que papai Noel entre sorrateiramente e deixe os presentes enquanto crianças dormem, posto que Nelson Noel vai ao encontro das crianças na luz clara do dia, abertamente.
Junto com diversos voluntários que moram na Cidade Nova e outros bairros de Manaus, Nelson Noel foi construindo esta festa. Muitos ajudaram com a doação de fardos de açucar, outros com sua disposição e apoio técnico, outros ainda decidiram participar auxiliando a distribuir o sorvete enquanto vários motoristas forneceram seus carros para a carreata dos bairros da Zona Leste e Norte de Manaus.
Os bons encontros natalinos, entre a multidão nos bairros visitados e Nelson Noel, foram acontecendo durante a carreata. Esta se iniciou no núcleo 5 da Cidade Nova onde Noelson acordou ansioso pelo grande dia de sua produção solidária natalina. Com sua alegria e disposição, o incansável Nelson superou neste ano diversas dificuldades e pode fazer uma nova distribuição sorvetal natalina para as crianças de Manaus.
Logo cedo Nelson se vestiu e transformou-se em Nelson Noel e começou a divulgar nos arredores da Cidade Nova o grande encontro com as crianças de todas a idade (inclusive adultas e idosas). Os carros começaram então a serem carregados de sorvete e a carreata foi se formando em frente da lanchonete Degust’Gula, onde Nelson promove encontros culinários todos os dias.
Nelson Noel 2012 (3)
Nelson Noel 2012 (37)
Nelson Noel e a moçada da Afin

Nelson Noel e a moçada da Afin

Antes de iniciar as atividades houve uma oração para agradecer mais um ano novo em que este encontro coletivo e solidário do Nelson Noel pode acontecer. Logo a carreata com Nelson Noel em cima de um carro seguiu pelas ruas do núcleo 5 do Cidade Nova.
Nelson Noel 2012 (38)
Neste bairrro onde Nelson trabalha, a população conhece o trabalho do Nelson Noel desde o início e sempre incentivou a empreitada. Lá Nelson viu crescer muitas crianças durante este 11 anos de Natal Solidário que hoje já estão adolescentes e cujo o reencontro a cada ano emociona Nelson.
Ainda nos primeiros metros da Cidade Nova, Nelson desceu do carro e seguiu a pé o encontro com os comunitários. Todas crianças corriam para abraçar Nelson Noel e também traziam suas sacolas, panelas e vasilhames para enche-los de sorvete e da alegria deste encontro natalino.
Nelson Noel 2012 (7)
Nelson Noel 2012 (8)Nelson Noel 2012 (6)
Nelson Noel 2012 (11)
O percurso seguiu depois entrou pelo Nossa Senhora do Perpétuo Socorro onde uma multidão de crianças, idosos, trabalhadores e transeuntes receberam Nelson Noel com muita alegria.
A carreata seguiu diversas ruas no bairro até chegar na rua principal, onde diversas pessoas sairam de seus cotidiano para também ter este encontro noelsonlino. Algumas estavam no salão de beleza, outras preparando a ceia, outros trabalhando em obras, pintura de letreiros, no comércio. Mas todos pararam suas atividades para dar um abraço festivo em Nelson Noel e em seus vizinhos.
Afinal a caravana da solidariedade acontece todo ano e cria uma subjetividade própria aos encontros comunitários que produzam afetos alegres e aumentem a potência de agir de cada pessoa.
Nelson Noel 2012 (17)
Nelson Noel 2012 (13)
Nelson Noel 2012 (10)
Nelson Noel 2012 (18)
Nelson Noel 2012 (14)
Nelson Noel 2012 (10)
Nelson Noel 2012 (19)
Nestes encontros Nelson Noel sempre encontra pessoas que devido alguma deficiência são excluidas pela sociedade capitalista e suas instituições que só se interessam com aqueles que estão aptos a serem explorados. Estas pessoas recebem o carinho de Nelson Noel que com seu coração sensível se emociona com este encontro.
Depois da longa caminhada pelas ruas do Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, a carreata foi recarregar os isopores com sorvetes enquanto o resto da equipe do Natal Solitário ajeitava os detalhes da próxima parte da caminha. Com as forças e os carros reabastecidos a alegria de Nelson foi carregando as pessoas através dos núcleos 3, 4 e 16 da Cidade Nova rumo ao próximo bairro.
Nelson Noel 2012 (20)
O bairro do Novo Aleixo, onde a Afin desenvolve algumas de suas atividades, foi a nova parada da carreata. Pelas ladeiras e ruas Nelson Noel e seus voluntários adentraram o bairro e o carregaram de muita festividade neste encontro comunitário.
No Novo Aleixo a população sempre acolhe com muito afeto a presença da carreata e dos trabalhadores voluntários em sua solidariedade e neste encontro todos aparecem para prestigiar e compor novas formas de relações humanas durante o natal.
Nelson Noel 2012 (21)
Nelson Noel 2012 (22)
Nelson Noel 2012 (23)
Nelson Noel 2012 (24)
Nelson Noel 2012 (26)
Quando a Nelson Noel chegou na rua Jaú, dezenas de crianças já esperava a presença deste festejo para receberem e darem muitos abraços e sorvetes. Muitas das crianças e comunitários participam das atividades afinadas como o cinema, a bandinha do outro lado, os cursos e encontros que ocorrem durante o ano.
Neste ano os afinados sugeriram um novo trajeto pelo caminho inverso do passeio dionisíaco da bandinha carnavalesca e assim foi possível Nelson Noel pode passar por novos territórios, ter novos encontros e presentear mais crianças.
Em todos os lugares onde passava a comunidade não deixava o papai noel Nelson sem abraços e trocas de afetos. E nestes encontros pode-se além de distribuir sorvete produzir o verdadeiro amor constitutivo do Natal.
Nelson Noel 2012 (25)
Nelson Noel 2012 (1)
Nelson Noel 2012 (32)
Nelson Noel 2012 (33)
Nelson Noel 2012 (35)
Nelson Noel 2012 (27)
Nelson Noel 2012 (31)
Nelson Noel 2012 (29)
Nelson Noel 2012 (39)
Dentre tantos amigos que já participam há vários anos do evento natalino, o menino Ezequias, participando pela primeira vez da caminhada natalina, tornou-se um destaque na festa como um ajudante de Nelson Noel. Isto em razão de ele manifestar sua vontade de fazer parte da alegria, ajudando a entregar os sorvetes.
O menino Ezequias, de 11 anos, com seus pés descalços, levava sorvete e carinho a todos que encontrava. Longe de Nelson Noel estar praticando exploração do trabalho infantil. Ele compreende que o trabalho somente é uma exploração quando as energias mental e física do trabalhador são subtraídas, no intuito de favorecer o domínio de um sobre o outro.
Mas na carreata, a participação do menino Ezequias foi trabalho vivo, pois sua ação foi motivada pela afirmação da vida como produção solidária, criando laços afetivos sólidos com as comunidades por onde passava, demonstrando a compreensão que uma criança pode ter das distintas situações de outras crianças na mesma cidade. Ezequias fez de sua ação construção de bons encontros, divertindo-se com sua enorme disposição para a vida.
Nelson Noel 2012 (28)
Nelson Noel 2012 (30)
Nelson Noel 2012 (2)
Nelson Noel 2012 (34)
Nelson Noel 2012 (40)
Nelson Noel 2012 (41)
Depois, carros e amigos de Nelson Noel, seguiram pelo Águas Claras até o Carlinhos da Carbrás. Durante a caminhada, Nelson Noel, emocionado pela energia transmitida por todos que o recebiam em suas casas, na rua e em todos os lugares, públicos e privados, por onde passava, desceu do carro de onde acenava a todos e se juntou às crianças na rua.
Assim durante mais um ano o Natal Solidário de Nelson Noel e dezenas de voluntários encheu de vida a não-cidade de Manaus, e mesmo que durante todos outros dias do ano a este local geográfico sofra com seus governantes , que manipulam os eleitores e a não-cidade, na véspera de natal a cidade é contagiada com uma festa de encontros transformadores e comunitários, e que neste dia aqueles não tem força nenhuma, e Manaus consegue se aproximar de uma real vivência de uma cidade.

MANAUS, UMA NÃO-CIDADE ONDE A ARTE NÃO TEM ESPAÇO

Novembro 25, 2012

A não-cidade de Manaus em todo seu tempo de constituição nunca permitiu que a arte pudesse brotar. Não apenas pela escolha e governança de representantes anti-democráticos como ocorreu. Mas principalmente pela inexistências de artistas que fizessem uma leitura desta não-cidade e produzisse sua obra em uma síntese capaz de auxiliar em novas formas de pensar, ver e sentir a realidade da urbes.

Os arteiros amazonenses apenas produzem se subsidiados pelo governo e possuem todo o louro de dedicar e expor numa homenage, e sem nenhuma vergonha, em espaços públicos que são tomados pelos governos e não tem reverberação social nenhuma, ficando sempre em um abestalhamento da classe média. Não vemos nos artistas diplomados com curso superior uma motilidade no sentido de utilizar sua potência criadora na produção de uma obra que esteja ligada a sua realidade. Em outras palavras não era uma vez um homem e seu tempo belchioramente brasileiro.

DA SUBSERVIÊNCIA DA FALSA ARTE AOS GOVERNOS

Na não-cidade de Manaus a produção delirante das pessoas que se chamam de artistas sem ser tem uma ligação direta com a produção da realidade opressora dos governantes. Isto pois eles não se diferenciam da massa em suas atividades e não engajamento na modificação do já constituido. Estes falsos artista ajudaram a eleger o sucessor do atual prefeito Amazonino, o mensaleiro desonesto Arthur Virgílio. Assim para eles a arte é apenas um ofício como outro qualquer que assalariadamente busca produzir um bem de consumo tendo como fim o mercado.

Além destas limitações dos não-artistas, Manaus tem uma produção de cena cultural praticamente nula. A praça de São Sebastião por exemplo foi um espaço sequestrado pela Secretaria de Cultura que criou um controle policial coercitivo do espaço da praça e que impede a potência de produção social de realizar encontros e até eventos como já relatamos neste bloguinho na proibição da realização do Beijaço Gay no local. Além disso este sequestro da Praça São Sebastião e do Teatro Amazonas inclui em uma programação glamourizada e centralizadora naquele espaço em eventos como o Festival de Ópera, que gasta em favorecimento de uma cultura européia e reativa, e o total simulacro Festival de cinema de aventura, que além de não possuir nenhuma importância no cenário nacional e internacional é um espaço elitizado do glamour baré abestalhado.

Estes dois eventos somados com a cópia paulista do Virada Cultural englobam mais de 80% dos gastos da secretaria estadual isto sem contar na inoperante secretaria de cultura municipal desta não-cidade, que não tem uma produção também na maior parte da cidade. A virada cultural também não propicia nenhuma mudança perceptiva quanto a experimentação de novas formas artisticas musicais: é o pornoforro e brega pra chamada periferia (já que em Manaus a verdadeira periferia geográfica é o rio) e mpb, jazz, reggae e música clássica para os bairros nada nobres e a falsa elite. E alguns ritmos musicais são excluidos como o caso do rap que gerou a onda de protestos nos muros da cidade com E o rap…

UMA NÃO-CIDADE ONDE A ARTE NÃO TEM ESPAÇO

Somado a esta produção reativa está a inexistência de espaços culturais e sociais na periferia. Praticamente não há na maior parte da cidade, e principalmente nas áres mais empobrecidas como a Zona Leste e Zona Norte, espaços culturais e artisticos, centros esportivos, projetos conveniados com centros comunitários, a construção de uma casa de espetáculo (teatro) popular… E a assim a não-cidade continua em sua insignificância quanto a si mesmo.

A Afin, constituida a 11 anos, é um dos únicos trabalhos que percorre estas áreas ignoradas pelos desgovernantes de Manaus, levando o cinema aos bairros, discussões e teatro a escolas (e mesmo assim sendo censurado pela Secretaria de Educação-Seduc), centro comunitários, igrejas, centro espiritas, terreiros afro, eventos sociais, etc. E esta unicidade é muito ruim, pois se Manaus fosse uma cidade sua produção artística e social estava fervilhando em todas esquinas, havendo milhares de espaços artísticos.

Entretanto vemos que a arte não tem seu espaço na não-cidade, e todos os espaços existentes na cidade são envoltos em uma aura da burguesia ignara. Os artistas de fora (já que não há de dentro) quando vem para a não-cidade se deparam com esta realidade de não haver espaços para arte. Tirando os Teatros centralizados (como o Amazonas, da Instalação, Américo Medeiros), as casa de evento com sua ilusão luxuosa, e os espaços de shoppings centers (onde o amor do capital se une com a não-arte capital) não há nenhum espaço. E este espaços citados anteriormente já estão ensignados em uma cultura do vazio do glamour.

Veja o caso do talentoso músico carioca Luiz Melodia que vem para Manaus graças a um programa nacional financiado pela Petrobras, mas não há nenhum espaço para se apresentar. A solução foi um teatro construido literalmente (já que é um espaço privado cujo o proprietário é uma construtora) dentro do shopping mais ilusório e burguês da cidade. Como uma pessoa que gosta de boa música, que usa seu corpo e mente na construção da cidadania e na modificação das imposições neoliberais dos governos, pode ir a um shopping para assistir uma cantoria, mesmo sendo de um verdadeiro artista? Somente se ela tiver um transtorno esquizoide onde não se diferencia do mundo… Mas aí ela não ia ser este tipo de pessoa.

Infelizmente o manauara classe-média é abestalhado e escotomizado, vivendo em seu delírio de consumidor e nunca de produtor e cidadão de sua responsabilidade com o mundo e com a história.

Não sabemos até quando a não-cidade de Manaus vai continuar não dando espaço para a arte e as produções. Mas sabemos que afinadamente a presença de Luiz Melodia, quanto tantos outros artistas vai passar batido por aqui, até que o povo produza artistas que façam parte de sua história e auxiliem na transformação de seu tempo.

PRODUÇÕES AFRO NO CURSO E BATIZADO DO GRUPO CAPOEIRA NAGÔ EM MANAUS

Junho 20, 2012

A cultura brasileira tem centenas de expressões provenientes da presença negra em nosso país. Isto sem contar a beleza infinita das manifestações engendradas aqui pelo nosso povo mestiço. Uma desta prática criada pelos negros com base em sua expressividade, dança e força de sua tradição foi a capoeira, uma produção afro de nossa cultura.

Com o passar do tempo a capoeira negra virou brasileira, mas continou com a força dos negros. O negodito Itamar Assumpção em seu último disco Pretobrás cantou sobre o desapego  alguns negros pela nossa própria cultura e tradição, devido as presentes formas de preconceitos. Diz negodito:

“Negro jogando pernada, negro jogando rasteira
Todo mundo condenava uma simples brincadeira
E o negro deixou de lado acreditou na besteira
Hoje só tem gente branca na escola de capoeira”

Porém a produção da capoeira pelos negros e brancos é uma expressão afrobrasileira em nossa cultura, e não pode ser deixada de lado por todo o nosso povo. O importante é a produção e presença negra em nossas vidas.E assim como o samba teve sua expressividade com Noel Rosa e Almirante, dois grandes sambistas de pele clara, nossa capoeira continua forte na vitalidade do Brasil Mestiço

PRODUÇÕES AFRO NO CURSO E BATIZADO DO GRUPO CAPOEIRA NAGÔ

Um dos grupos da expressão da capoeira em Manaus é o grupo Nagô, nome proveniente de uma denominação dada ao iorubano, como a todo negro da Costa dos Escravos que falava ou entendia o ioruba. Vindo em grande número para o Brasil como escravos, os nagôs tiveram influência social e religiosa entre o povo mestiço, conservando, apesar dos processos  de aculturação, seus mitos e tradições sacras. Os Nagôs é o grupo negro mais conhecido em seu complexo social vivo (conforme Dicionário de Folclore de Câmara Cascudo).

E nesta alegria de nossa cultura, o grupo Capoeira Nagô produziu um curso e batizado de capoeira aqui em Manaus, mostrando que se depender da cultura popular não faltará opções em todas as quebradas de nossa não-cidade.

E com um evento único, bem diferente das apresentações dos grupos de capoeira, os Nagôs fizeram, além do batismo e rodas onde se jogou capoeira,diversas apresentações tipicas da cultura afro, como Maculelê, Puxada de rede e até o Frevo que vale ressaltar que além de ser uma dança tipica de Pernambuco (Estado natal do Professor Pulga) tambem tem raizes africanas e um dos maiores divulgadores dessa arte foi um Amazonense, Sr. Frascisco do Nascimento Filho. “O Nascimento do Passo”.

E com a alegria a festa foi produzida e fortalecndo nossa cultura o grupo Nagô continua com seu envolvimento e criação de vários forma de vermos e sentirmos nossa nação afrobrasileira.

BANDINHA DO OUTRO LADO 2012

Fevereiro 22, 2012

MARCHINHA DA BANDINHA DO OUTRO LADO 2012

Composição: Crianças do Novo Aleixo

“Chegou! (a brincadeira)
Chegou! (a fantasia)
Chegou! (a alegria)

A bandinha do outro lado
Pra mostrar seu carnaval
Trazendo um tema que toca em todo  mundo
 O compromisso com a defesa ambiental

A bandinha do outro lado
É a criança brincando em sua beleza
Por isso ela canta, dança, pula, bole
Sempre livre, Não dá mole
Porque ela é natureza

O carnaval que tem suas origens nas festas pastoris gregas em homenagem ao deus Dionísio, em celebração à vida e à colheita, teve sua potência libertadora dionisíaca passando pela existência de várias crianças, jovens, pais e moradores do Novo Aleixo, Zona Leste de Manaus, que produziram todos um encontro transformador, deixando seus afazeres domésticos e cotidianos para deixar passar a vida.

Sabemos que a não-cidade de Manaus é produtora de tristezas que imobilizam muitos corpos inclusive no carnaval. Além de sofrer com os problemas infelizmente cotidianos da falta d’água, transporte coletivo inoperante, falta de opções de lazer e eventos culturais nos bairros, ruas sem pavimento, calçadas e bueiros, praticamente não há a produção de bailes, blocos e produções dionisíacas durante o carnaval. Mas no bairro do Novo Aleixo, as crianças produzem todo ano o sentido alegre da vida, além desta desconstituição de não-cidade.

A festa que iria acontecer neste domingo, 19/02/2012 de carnaval foi transferida para o dia 20/02/2012 devido a chuva torrencial que desabou sobre toda a não cidade. Porém, nenhum fato pode abalar o encontro momesco da 5a edição  Bandinha do Outro Lado que começou sua concentração às 16:30, na Rua Rio Jaú, na casa da Mirian, palco onde aos domingos se opera era a criação kinemasófica, se transformou em uma oficina de retoque dos últimos detalhes das fantasias carnavalescas. Neste ano a grande novidade é um palhaço gigante afinado que tem suas raizes nos maravilhosos bonecos gigantes de Olinda, do grande Mestre Salustiano.

Clique nas imagens para ampliar



Enquanto as crianças se pintavam e terminavam suas fantasias os músicos foliões da Bandinha esquentavam a garotada ao som das marchinhas. Com tudo na agulha, as crianças e adultos se posicionaram à beira da rua para começar a caminhada que  se seguiu pelas ruas do bairro cheias de lixos, entulhos,  desviando-se para dar passagem à Bandinha.

'Vizinho' o Rei do Carnaval e a Rainha Poli

 

E a alegria brincante começa trazendo a origem dionisíaca do carnaval, com o bode (tragos em grego) a frente da bandinha representado pela criança afinada Hayssa, seguida do Rei Momo e da Rainha do carnaval, além dos cantos, sátiros e a alegria do Dionísio cuja imagem estava em num porta estandarte.

Aos poucos a Bandinha foi tomando as ruas e enchendo todo o bairro da contagiante festa do carnaval que acontece sem os preconceitos e bloqueios produzido pelos homens que pontuam suas existências por limites, especificamente religiosos inertes, conservadores e imóveis. Logo vários moradores saíram de suas casas e integraram a transformação feita bandinha.

Mesmo com as ruas entulhadas de lixo, cuja a coleta foi prometida aos moradores há mais de um mês pela prefeitura (com  inoperância de um prefeito cassado) , a bandinha não diminuiu sua potência de agir e elevou a vida do Novo Aleixo a outro plano, longe da perversidade dos governantes.

Após o andar  de encontros transformadores do Novo Aleixo, a bandinha voltou a sua concentração, onde o bode do carnaval a criança Hayssa falou um pouco sobre a história desta festa.


Depois a festa continuou com os toques da Bandinha músical e o cantar de diversas músicas e marchinhas do carnaval brasileiro, e o alegre dançar dos passistas, ritmistas, pais, foliões, reis e rainhas da nossa bandinha.

E na Bandinha do Outro Lado um dos grandes momentos do salão carnavalesco é a marchinha “Corre, Corre lambretinha” do grande compositor carnavalescos João de Barro, o Braguinha.  Como se vê no video o correr da lambretinha é o motor da alegria contagiante da Bandinha do Outro Lado.

Logo depois houve o desfile das fantasias e cada criança pode mostrar seu trabalho na produção de fantasia e fazer outros percursos diferente que faz na escola e em casa. E na passarela os dançarinos da bandinha.

E a festa tomou o salão até a boca da noite, com a bandinha em seus encontros crianças alegres produzia novos movimentos nos corpos e deixando neles rastros da animação. Muitas marchinhas, danças, movimentos , sorrisos seguiram até a hora de recompor as energias com um delicioso mata-broca carnavalesco que trazia vatapá, arroz, frango, seguido de bolo de chocolate, doces e o delicioso sorvete doado pelo afinado Nelson que nas quadras não-carnavalescas é conhecido como Nelson Noel. E a alegria dionisíaca da bandinha irradia durante todo ano até que as comunalidades se encontrem na produção de uma nova Bandinha.

 

BANDINHA DO OUTRO LADO

TODO DOMINGO GORDO NO NOVO ALEIXO


Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 49 outros seguidores